O verbo haver é impessoal quando está no sentido de “existir”, ou seja, não admite sujeito. Neste caso, é invariável (não flexionado) e conjugado na terceira pessoa do singular.
Vejamos:

a) Não houve candidatos suficientes para este concurso.
b) Havia muitas pessoas para fazer a prova do concurso.
c) Há dez dias não como carne vermelha.
d) Haverá alguém que possa ajudar-me!

O verbo “haver” como impessoal pode surgir ainda na locução verbal. Seu auxiliar irá acompanhá-lo e será conjugado também na terceira pessoa do singular:

a) Deve haver uma forma de resolver esse processo.
b) Deve haver formas de resolver esse processo.
c) Os desentendimentos que possam ter havido entre os dois, cabe a eles resolver.

Contudo, quando o verbo “haver” é que faz o papel de auxiliar e tem valor equivalente a “ter”, será conjugado de acordo com o sujeito:

a) Nas minhas férias, (eu) hei de ir para a praia.
b) Quando fui à casa de meus avós, eles haviam sido visitados por todos da família.
c) Eles haviam encorajado minha irmã a ir para o exterior.

Importante: o verbo “existir” faz concordância verbal normal, ou seja, com o sujeito.
Exemplo: Não existiram candidatos suficientes para este concurso.

 

Considere as seguintes orações:
 

  • Os alunos haviam de chegar naquele exato momento.

  • Nós havíamos combinado sobre este passeio com antecedência.

  • Há muitos pacientes à espera do médico.


Podemos perceber que somente na última oração o verbo haver permaneceu no singular, embora a palavra “paciente” esteja no plural.

Existe uma explicação para este fenômeno linguístico? Quando nos deparamos com ocorrências assim, logo nos remetemos à ideia das famosas regras gramaticais.

Para entendermos melhor sobre o assunto, é interessante analisarmos sintaticamente as orações expostas:

No que se refere ao sujeito, temos:

Os alunos - Sujeito Simples
Nós - Sujeito Simples
Na terceira, seria “pacientes” o sujeito da mesma?

A resposta para o questionamento é negativo, pois trata-se de um caso em que ocorre uma oração sem sujeito, ou sujeito inexistente.

Normalmente quando vamos escrever e não temos conhecimento desta regra, pluralizamos o verbo haver. Ou várias vezes assistimos a notícias nos telejornais ou até mesmo lemos alguém cometendo essa falha.

A regra específica para este caso é a seguinte:
Quando o verbo haver proporcionar a possibilidade de ser substituído pelo verbo existir, necessariamente o mesmo permanecerá na terceira pessoa do singular.

Vejamos o exemplo:
Há pássaros voando no infinito.
(Existem) pássaros voando no infinito.

Note que quando fazemos a substituição, somente o verbo Existir é flexionado.

Naquela casa há um morador estranho.
Naquela casa (existe) um morador estranho.

Comprove a ocorrência da afirmativa anterior.

Em suma, o verbo haver com significância de existir, é conjugado sempre no singular, por tratar-se de um verbo impessoal, ou seja, não existe pessoa a quem o sujeito se refere.

 

(SRF) Assinale a opção em que a conjugação do verbo haver desrespeita a norma culta:

a) Naquela situação de tensão, os garotos se houveram com muita discrição e elegância.

b) Todos eles já haviam vivido situações de tensão semelhantes anteriormente.

c) Eles sabiam que deviam haver punições para os que violassem as regras.

d) Mesmo assim, os adultos houveram por bem recomendar cautela a todos.

e) Dessa maneira, não haveria arrependimentos nem lamentos mais tarde.

 

UFPI – adaptada

Partindo da premissa de que o verbo haver, ora indicando o sentido de existir, atua nos casos de oração sem sujeito ou sujeito inexistente, assinale a alternativa que contém a informação correta quanto ao sujeito das orações 1 e 2:

1 – Existem homens loucos nas ruas.

2 – Há homens sadios nos hospícios.

a) oração sem sujeito (1) – indeterminado (2).

b) oração sem sujeito (1) – homens sadios (2).

c) homens loucos (1) – homens sadios (2).

d) homens loucos (1) – oração sem sujeito (2)

e) indeterminado (1) – oração sem sujeito (2)

 

(ADMINISTRADOR — NCE — UFRJ — PIAUÍ) “Haverá milhões de pessoas com Aids”; a alternativa abaixo em que a substituição da forma do verbo haver está gramaticalmente INCORRETA é:

a) deverá haver;

b) poderá haver;

c) poderá existir;

d) existirão;

e) deverão existir.

 

Faça a Concordância Correta Rasurando o Verbo Incorreto:

01 – [Faz / Fazem] vinte minutos que estamos a sua espera.

02 – [Havia / Haviam] poucas vagas para o curso.

03 - Conhecido o resultado da votação, [choveu / choveram] vaias.

04 - Não [havia / haviam] vizinhos naquele deserto.

05 – [Havia / Haviam] já dois anos que não nos víamos.

06 - Conhecera-o assim, [fazia / faziam] quase vinte anos.

07 – [Deverá haver / Deverão haver] cinco anos que ocorreu o incêndio.

08 - Aqui [faz / fazem] verões terríveis.

09 – [Vai fazer/ Vão fazer] cem anos que nasceu o genial artista.

10 – [Começou a haver / Começaram a haver] abusos.

11 - Não [podem / pode] haver rasuras neste documento.

12 – [Haviam / Havia] muitos anos que não vinha ao Rio.

13 – [Choviam / Chovia] insultos entre os torcedores, após o jogo.

14 - Talvez ainda [haja / hajam] vagas naquela escola.

15 - Por cima do fogão [deviam / devia] haver fósforos.

16 – [Fazem / Faz] hoje precisamente sete anos.

17 - Não pode [haverem / haver] boas leis sem bons legisladores.

18 – [Vai / Vão] haver grandes festas.

19 - Nas fazendas [haveriam / haveria] alimentos frescos e baratos.

20 - Males inevitáveis [iam / ia] chover sobre mim.

21 – Naquela época [tinha / tinham] muitos feriados religiosos.

22 – [Faz / Fazem] mil anos que aquela estrela está ali.

23 – [Vai / Vão] haver desistências.

24 - Nessa época [haviam / havia] ali muitas rivalidades.

25 – [Faz / Fazem] alguns anos que nós viajamos.

26 – [Há / Hão] de haver razões para ele não vir.

27 - Após a reunião [haverá / haverão] debates.

28 - [Houve / Houveram] alterações na folha de pagamento.

29 - Nos rios e lagos não [havia / haviam] mais peixes.

30 – [Há / Hão] de existir ainda outro motivo.

31 - Na minha turma [havia / haviam] alunos brilhantes.

32 – No Rio de Janeiro [faz / fazem] dias muito bons.

33 – [Haveria / Haveriam] estrelas brilhando no céu?

34 – [Deve \ Devem] fazer uns cinco anos que não vou lá.

35 - Não parecia que dali [houvessem / houvesse] saído tantas riquezas.

36 – Na cidade [havia / haviam] poucos médicos.

37 - Cinco meses [vai / vão] fazer que não chove mais no sertão.

38 – [Deve / Devem] haver alternativas energéticas.

39 – [Deve / Devem] existir outras opções de investimentos.

40 – A noite está tão fria que [chove / chovem] tristezas em meu pensamento.